Arquivos do Blog

Investing in Cuba can represent a good business

Featured image

The president of the Chamber of Commerce of the Republic of Cuba, Orlando Hernández Guillén, stated to TTC the principal functions of that institution and gave details about the process to attract foreign investment.

Hernández Guillén, what role does the Chamber of Commerce play in the new foreign investment projects in the country and in the insertion of the Cuban economy into the world of international business?

With the start of the new legislations enacted for the promotion of foreign investment, Law 118 and all the annexed regulations, a special role has been assigned to the Chamber in promoting the activity of attracting foreign capital. For this purpose, the institution has internally modified its structure to have a group in charge of this task. In addition, it has undertaken a series of actions to pay special attention to the subject of the promotion of foreign capital investment opportunities for the national economy, using for this the wide-ranging universe of its relations: trade fairs or relations with other chambers of commerce and related agencies.

Since its creation through Law No. 109 of February 1, 1963, the Chamber of Commerce was conceived as an autonomous agency whose prime function was to support the process of internationalization of the Cuban companies and economy, and obviously, the attraction of foreign capital also forms part of those assumptions.

In your opinion, or according to your experience, which are the facilities in terms of the mechanisms and opportunities classified in the new Law on Foreign Investment in Cuba which have most favored the takeoff of that mode in the country, as well as the increased interest by foreign investors?

Taking experience from the previous work carried out when looking through similar legislations in the region and the rest of the world and consulting with experts, the new Law, first of all, establishes the necessary guarantees and securities to invest in Cuba. It provides a series of fiscal incentives with relation to the treatment a national company has, the joint ventures and national and foreign investors and other additional benefits could even be given in this sense, according to the type of investment and the interest they could represent for the country.

With respect to the subject of foreign capital, it is necessary to highlight in first place the creation of the Mariel Special Development Zone, which has favorable conditions to attract foreign capital; in addition, the interests and the forms in which the country wants to associate with the investor were identified, that is, the general and sectorial policies were established, which guarantees precision when negotiating with the entrepreneurs of other nations; and, thirdly, a group of 246 projects, contained in the Opportunities Portfolio, were identified, in which the conditions and the sectors that most interest the country are presented. All those elements help the foreign businesspeople to establish with greater speed their objectives and come to Cuba directly for what they want to do.

Which are the Cuban economy’s sectors in which foreign participation is encouraged with greater emphasis?

Foreign investment has been resumed as a priority in Cuba because the country needs to achieve growth rates higher than those that domestic saving can achieve, which is why resources must be attracted from abroad that can be in the form of credits – and the country has several restrictions to gain access to foreign credits and international financial organizations – or through the investment of foreign capital, which has to be directed toward those sectors that have an impact on the generation of exports, like food and agriculture productions, in order to lower the country’s current spending on food, which is more than two billion dollars a year. Also prioritized are the pharmaceutical industry and biotechnology sector; tourism, for the export of services and which is one of the key spheres of the economy; and there is also the quest to promote a change in the energy matrix: to join a greater power generation with a lesser use of fossil fuel like oil, which makes it possible to save while having a more environmentally appropriate energy management.

How can foreign entrepreneurs interested in investing or exploring Cuba as a business hub channel their application?

The interested companies can approach the entities publicly and legally recognized for these purposes: the Chamber of Commerce or the Center for the Promotion of Foreign Trade and Investment (CEPEC). All the economy’s agencies that have the possibility of assimilating foreign capital have specialized departments dealing with the subject. We also have more than 120 embassies in the world, which is why if investors are disoriented and consider that investing in Cuba can represent a good business, they can get information there. Moreover, each project presented in the Business Portfolio has the specific contact data for clients’ greater information.

Is the registration in the Chamber of Commerce to operate in Cuba compulsory?

No, the Chamber has a registry of the Cuban import-export entities, a responsibility assigned by the government. The companies that want to establish themselves or open a branch to market in Cuba, not to invest, are also registered.

Is the wage regimen established for the Cuban personnel that work in the companies that are established and produce here carried out through direct hiring or through a Cuban entity?

Direct hiring does not exist, there is an employment agency according to the cases for each entity or sphere, with which the investor discusses the wage conditions of the future worker, which is established by mutual agreement, without depending on a classification of posts but rather according to the skills of the person or the job characteristics.

Could you tell us about the current state of the Mariel Special Development Zone?

Progress has been made in the creation of the infrastructure required for investors to be able to establish themselves there. Since its launching almost two years ago, in the Zone there are already…seven well-defined investments, among them two Cuban and five completely foreign capital. It has been previewed that during this edition of the Havana International Trade Fair more extensive information will be presented about the advances it has made.

To what extent are Cuba’s business committees with other countries tools to boost foreign investment on the island?

The business committees are mechanisms which the chamber has to direct its proposals and help in the internationalization of the economy, and they are established with some of the most important markets or with those with which it mostly interacts. Based on the meetings between the executive boards of these committees and the Chamber – which can be annual or every two years – annual work plans are established geared, on Cuba’s side, at meeting the objectives we can have concerning a certain market, which can be the support at a fair, promoting a certain sector of the economy, commercial actions or the resolution of certain problems that can be hindering the advance of bilateral relations in a specific sector.

With which countries are the present already constituted business committees or in the process of official creation operating?

China, Russia, Vietnam, Spain, Mexico, Holland and others that add up to 12 created business committees.

It would be interesting to know some aspects about the results Cuba has had with its participation in Expo Milan 2015.

We have had an honorable participation, according to the characteristics of Cuba as a country of scarce resources but which always had a special interest in being present at the expo held in Italy, where the elements were shown according to the theme lines of the event related to the sustainable production of food. At the same time, we took advantage of the opportunity of having a pavilion in Milan which has been visited by thousands of persons from all over the world, which have received a message of who we are, what we have. We feel very satisfied with respect to this.

What importance do you confer on the Havana International Trade Fair with respect to its influence on Cuba’s commercial relations?

FIHAV is the Caribbean’s most important trade fair, an event that this year has aroused special interest given that in recent times Cuba has been the object of attention of many countries, personalities and companies, and that same special motivation is expressed in the fact that the fair is totally taken up by a high number of exhibitors. It is dedicated to generating the export of merchandise and services, and will also be the context to launch an update of the Opportunities Portfolio.

For the first time the Mariel Special Development Zone is present with the first companies that are working in the place. We hope it will be an important fair, with a great deal of foreign participation, official as well as entrepreneurial.

Is there any other subject you would like to deal with?

At present it is undeniable that the new rapprochement between Cuba and the United States has served as a catalyzer to call attention on the island, and that the interest of foreign investors has increased. Thus the U.S. companies, though they have participated in FIHAV during the last ten years, will come with a more wide-ranging universe.

Travel Trade Caribean TTC

Anúncios

Lula e Mujica recebidos como heróis na Colômbia

Convidados pela CLACSO, Lula e Mujica chegam a Medellín para dizer que a América Latina apoia a paz, o que é muito importante para toda a região


Por Darío Pignotti, enviado especial a Medellín

Agência PT de notícias

“Luiz Inácio Lula da Silva e José Mujica são dois mitos na Colômbia, são dois heróis”, conta o secretário executivo do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (CLACSO), Pablo Gentili, para explicar a importância de presença dos ex-mandatários no congresso do mais importante “tanque de pensamento” da região, que se inicia amanhã, em Medellín em momentos cruciais para o processo de paz entre a guerrilha e o governo.

“A popularidade de Lula entre os colombianos é muito alta, muitos estão a favor de Lula porque conhecem sua história de vida, desde que era um operário metalúrgico e dirigente sindical, além de fundador do PT. Nas campanhas eleitorais, os candidatos colombianos usam Lula com exemplo, para conseguir votos. Os colombianos também adoram Mujica, o respeitam por sua vida digna, sua história de luta, sua atitude coerente contra o consumismo. Mujica nos demonstra como um homem que esteve na luta armada – e ficou preso durante treze anos pela ditadura uruguaia – depois optou pela política partidária, se transformando num grande líder, algo que pode acontecer com os guerrilheiros colombianos das FARC quando se inicie a etapa posterior ao conflito”, conta Gentili em entrevista para a Carta Maior.

“Convidados pela CLACSO, Lula e Mujica chegam a Medellín para dizer que a América Latina apoia a paz, o que é muito importante para toda a região”.

Medellín, Pablo Escobar e James Rodríguez

Em Medellín, o clima passa rapidamente de uma chuva suave ao gostoso sol tropical, e depois volta a chuva suave, um revezamento que mantém no ar um ambiente muito “chévere”, como dizem as pessoas que vivem nos morros que rodeiam esta cidade.

Nesta cidade o líder narco Pablo Escobar Gaviria construiu sua fortaleza, e também o ex-presidente ultradireitista e atual senador Álvaro Uribe – um aliado político dos Estados Unidos, que durante seu mandato tentou e fracassou na tentativa de eliminar militarmente os guerrilheiros que lutam a mais de meio século no país.

“Esta cidade é conhecida em todo o mundo por ser o lugar onde viveu Pablo Escobar, mas Medellín também é a terra do clube Envigado, onde jogou James Rodríguez antes de ser comprado pelo Real Madrid”, diz o garçom de um bar na avenida Nutibara, por onde automobilistas e motociclistas circulam em alta velocidade, sintoma do trânsito violento do centro de uma cidade onde, nos setores periféricos, ainda há zonas controladas pelos paramilitares.

O diretor do CLASCO, Pablo Gentili, destaca o significado político de que Medellín, um histórico reduto da ultradireita, seja visitada por milhares de intelectuais, acadêmicos e dirigentes políticos como o vice-presidente boliviano Álvaro García Linera e o secretário-geral da Unasul, o colombiano Ernesto Samper, ex-presidente do país.

“A América Latina deve se comprometer com a paz na Colômbia, demonstrar que o país está atento às negociações realizadas em Havana”. Gentili confia que o acordo definitivo será assinado em março, como prometeram as duas partes depois da cúpula realizada em setembro, em Cuba, entre o chefe guerrilheiro Timochenko e o presidente Juan Manuel Santos. Aquela reunião foi patrocinada pelo presidente Raúl Castro e abençoada pelo papa Francisco.

“Vemos que houve avanços concretos na Colômbia, permitiram superar travas que pareciam insuperáveis, mas ainda há alguns temas difíceis de resolver. Ainda assim, acho que ano que vem teremos um acordo de paz, a não ser que ocorra uma tragédia inesperada, que pode estar sendo planejada pela ultradireita”, comenta Gentili. “Será preciso enfrentar os obstáculos que a direita colombiana, militarizada e paramilitarizada, colocará no caminho. Não falta vontade de intervir para que a paz fracasse. O uribismo (tendência política ligada a Álvaro Uribe) está trabalhando contra os acordos”.

Independente das ameaças políticas e armadas contra as negociações, o país “está vivendo um momento muito interessante, porque começa a se discutir o que virá na etapa do pós-acordo de paz. A Colômbia deverá enfrentar um longo processo para implementar a paz que está se negociando, necessitará uma arquitetura institucional muito complexa para construir essa paz, e também ideias, que serão discutidas neste congresso do CLACSO”.

Pensamento próprio

O congresso do CLACSO discutirá, a partir de amanhã e até a próxima sexta-feira, temas como a paz e a guerra na Colômbia, o processo de integração, o futuro dos governos progressistas e de esquerda na região, o modelo de desenvolvimento e inclusão social, as relações com os Estados Unidos e a ofensiva conservadora para desestabilizar as experiências pós-neoliberais, entre outros.

“Na América Latina, temos uma grande capacidade de produção acadêmica autônoma, criativa, séria, rigorosa. Temos um pensamento próprio para ver o mundo e impulsionar uma disputa com uma postura politicamente comprometida”, observa Gentili.

Este encontro estará marcado pela batalha das ideias que estão em curso, a que ganhou vigor no início da década passada, em paralelo ao desgaste da dominação unilateral norte-americana.

“Ainda hoje em dia, quem produz a visão do mundo são os países hegemônicos. Diante disso, é preciso valorizar nossa produção intelectual. Nos últimos anos, a América Latina começou a ter intelectuais e profissionais atuando com mais influência em organismos internacionais como a ONU, onde se discutem programas, projetos sobre a desigualdade, a pobreza e o desenvolvimento”, opina Gentili. “Foi durante os governos de Lula, de Néstor Kirchner e de Hugo Chávez que nós começamos a ganhar espaço nesses âmbitos. O CLACSO também cresceu nos últimos anos. Duplicamos o número de instituições associadas e vamos seguir trabalhando nessa estratégia, porque a articulação dos centros de investigação latino-americanos é necessária, como também a articulação dos centros de investigação da África e de outros continentes”.

Futuro

“Espero o futuro de América Latina com preocupação, mas com confiança” afirma Pablo Gentili, para quem o CLACSO é uma usina de pensamento crítico, por onde circulam intelectuais com compromisso político, dentro de um espaço de grande diversidade.

Pensando neste encontro de Medellín, ele diz não esperar por consensos unânimes sobre o futuro da América Latina, que prevê muitos debates e divergências, e que não se surpreenderá se as posturas, mesmo dentro do campo progressista, estiverem bastante distanciadas.

“Um tema que vai provocar debates duros é o do modelo desenvolvimento atual na região, o meio ambiente e a mineração. O problema não é ter um diagnóstico de consenso sobre os rumos da América Latina, mas sim ter claro que não podemos retroceder ao neoliberalismo dos Anos 90”.

Gentili recorda o fato de que a reunião de Medellín se realiza exatos dez anos depois da histórica Cúpula das Américas, onde Lula, Kirchner e Chávez frearam o projeto da ALCA, a área de livre comércio que os Estados Unidos queria impor ao continente.

“O `Não à ALCA´ foi uma demonstração concreta da integração. Os presidentes disseram aos Estados Unidos `aqui estamos´, a partir dali, os países se uniram, avançaram, definiram uma agenda com vários temas, que incluiu até mesmo um programa educativo em comum. Se acompanhamos estes dez anos posteriores àquela cúpula, se vemos a evolução dos nossos debates, podemos entender a transformação ocorrida na realidade regional”.

“Em 2005, houve um golpe de esperança. Nessa época, os governos populares e de esquerda não tinham grandes conquistas para exibir, ainda não havia resultados sociais, mas havia a vontade de construir um futuro”.

Tradução: Victor Farinelli

A pobreza mundial: os erros do Nobel de Economia

A raiz da pobreza não é a falta de recursos, mas sim a maneira como eles estão distribuídos na sociedade. E este fato é ignorado pelas análises de Deaton.


reprodução

A entrega do mal chamado Prêmio Nobel de Economia (mal chamado, pois não é escolhido pela Fundação Nobel, mas sim por um banco) a Angus Deaton, professor escocês da Universidade de Princeton, devido ao seu trabalho sobre a pobreza mundial, foi considerado (corretamente) um indicador da preocupação que um grande número de organismos internacionais está expressando sobre o crescimento da pobreza no mundo, e seu alívio de que, segundo a opinião otimista de Deaton, tal realidade é reversível, ainda que dentro da ordem capitalista atual dos sistemas econômicos, vigentes na maioria dos países onde a pobreza se concentra. Segundo o novo premiado, seria necessária uma transferência de fundos – relativamente menor – dos países ricos aos países pobres, além de mudanças nestes últimos, com maior número de campanhas educativas dedicadas à sua população, o que seria suficiente para que milhões de pessoas deixassem de ser pobres. Na realidade, Deaton considera que o aumento da escolarização tem sido o maior motor do progresso ao longo dos séculos, e a maior causa da redução da pobreza e do melhoramento do bem-estar da população. Um indicador disso tem sido o aumento da longevidade da população, que ele atribui ao maior acesso à educação das pessoas, o que permite aos pobres conseguir o que se chama de capital humano, que lhes permitiria sair da pobreza e ascender na escala social.

Esta visão da pobreza é amplamente aceita num grande número de instituições internacionais – incluindo o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial, assim como uma grande parte de ONGs e instituições governamentais e partidos políticos da sensibilidade conservadora e liberal, sem excluir partidos políticos de tradição socioliberal, como é o caso de vários partidos social-democratas europeus, como o PSOE, Partido Socialista Operário Espanhol. Em todas essas instâncias, aumentar o gasto educativo é considerado condição essencial para eliminar a pobreza.

Qual é o problema desta definição de pobreza?

Essa visão da pobreza, entretanto, tem vários problemas. Um deles é definir a pobreza em função do número de recursos que cada indivíduo tem. Esse nível de recursos durante muito tempo, foi considerado como sendo de pouco mais de um dólar por dia, e agora subiu a 1,9 dólares por dia. Por certo, é preciso esclarecer que, para muitos países de baixo nível de riqueza, se considera que um dólar por dia é a quantidade mais que respeitável para poder viver sem ser pobre. Por isso, quando o Banco Mundial fala em um dólar por dia não quer dizer que a pessoa tenha ao seu alcance um dólar estadunidense, mas sim a quantidade de dinheiro local que uma pessoa precisa para poder comprar os mesmos produtos que podem ser comprados nos Estados Unidos com um dólar. Se nos Estados Unidos um dólar serve para comprar um pedaço de pão, na Índia o dólar diário é a quantidade de rúpias, que se necessita para comprar um pedaço de pão.

A pobreza do mundo está diminuindo?

Com base nesse critério, se assume que o número de pobres está diminuindo, pois há cada ano existe menos gente nessa categoria. Mas se ignora frequentemente o fato de que isso se deve ao grande crescimento econômico da Índia e da China, que juntos compõem algo mais de um terço da população mundial. Mas nesta nota otimista se esquece que, em outras partes do mundo, como na África, há mais pessoas vivendo na extrema pobreza agora que há 30 anos, e não só em números absolutos, mas também em termos proporcionais.

O maior problema nesta definição da pobreza é a maneira como se conceitualiza a pobreza, definida como a mera ausência de recursos. Segundo essa ideia, o problema da pobreza é a falta de recursos por parte do indivíduo que é pobre. Essa definição parece razoável, mas contém um grande erro, pois se centra única e exclusivamente nos recursos que a pessoa tem, sem considerar os recursos existentes na coletividade à qual ela pertence e dos quais a pessoa se beneficia. O valor de subsistência de um dólar por dia para uma pessoa é muito diferente numa sociedade que tem saneamento básico público, por exemplo, que noutra onde o indivíduo tem que pagar para ter acesso ao sistema sanitário. O contexto no qual a pessoa vive é de especial importância para saber que recursos ela tem, pois os recursos privados (o dólar diário) devem ser considerados juntos com os recursos públicos. Nem Angus Deaton nem o Banco Mundial tomam em conta os recursos públicos que podem condicionar um indivíduo para que possa ou não ser pobre, dependendo de outros recursos de carácter público existentes em sua sociedade. A definição de pobreza deles dá importância demais aos recursos privados, excluindo os públicos, se fixando na quantidade de recursos que o indivíduo pode comprar com o dinheiro que tem. Essa visão privatizadora e mercantil da pobreza é viciada, e dificulta sua compreensão.

A pobreza é um conceito relacionado a outros fatores

Mas também há outro erro, também decorrente da análise centrada no indivíduo e não relacionada com o seu entorno e sua colectividade. Duas pessoas com o mesmo número de recursos monetários mas vivendo em países diferentes podem ser catalogadas como pobres em uma sociedade e não sê-lo em outra. A definição da pobreza depende da quantidade de dinheiro que o indivíduo tem em comparação com os demais indivíduos da mesma colectividade. Em outras palavras, a pobreza é um conceito relativo. A pobreza depende do contexto em que a pessoa vive e suas circunstâncias. Vejamos os dados.

Uma pessoa pobre no bairro pobre do Bronx, em Nova York, tem mais recursos físicos e monetários (televisão, dólares, carro, celular, maior espaço na casa, ajuda assistencial do governo, etc.) que uma pessoa de classe média em Gana. Se o mundo fosse uma só sociedade, o pobre do Bronx pertenceria à classe média mundial e a pessoa de classe média de Gana à classe pobre mundial. Entretanto, utilizando a esperança de vida para definir o progresso – o mesmo indicador que utiliza Deaton – nos encontramos com a situação paradoxal de que o pobre a nível mundial (a pessoa de classe média em Gana) vive 15 anos a mais que a pessoa de classe média a nível mundial (o pobre do Bronx). Parece estranho que a pessoa que tem mais recursos tenha menor expectativa de vida que a que tem menos recursos, mas é aí aonde as teorias de Deaton e da maioria do establishment antipobreza falham, ao defender que a pobreza é um problema individual, de falta de recursos, que só pode ser resolvido através da educação.

A pobreza não é um conceito absoluto, mas sim relativo

A pobreza não é um conceito absoluto. Ser pobre ou não é uma condição que depende do lugar onde a pessoa ocupa na estrutura social de um país. Não se pode tomar o indivíduo fora do contexto econômico, político e social onde ele vive. E isso nos leva à raiz do problema que não é a falta de recursos, mas sim a maneira como eles estão distribuídos. A distribuição dos recursos a nível nacional, assim como a nível internacional, é um tema fundamental e ignorado pela sabedoria convencional sobre a pobreza, reproduzida pelo Banco Mundial e por Deaton.

Uma pessoa pobre do Bronx, nos Estados Unidos, está no submundo de uma sociedade profundamente desigual e enormemente polarizada, na que existe pouco apoio coletivo. O Estado de bem-estar nos Estados Unidos é bastante deficiente – por exemplo, 48% de pacientes com doenças terminais estão angustiados por saber como pagarão suas dívidas. Esse cidadão pobre do Bronx está enormemente frustrado, pois a distância social e econômica entre ele e a média da sociedade estadunidense é enorme, com o qual se sente oprimido e com poucas possibilidades de sair do fundo do poço, e isso gera uma depressão capaz de diminuir sua expectativa de vida. A pessoa de classe média em Gana, pelo contrário, não está por baixo, mas sim por cima da média da sociedade na que vive, portanto não tem essa frustração e alienação para com o resto da sociedade, nem sente tanta a necessidade de corrigir sua posição social.

É aí onde a ênfase em transferir renda aos pobres para resolver a pobreza é insuficiente. Os especialistas em política social sabem que grande parte das medidas antipobreza que estão baseadas na transferência de fundos públicos de carácter assistencial têm pequena eficácia se não estão acompanhadas de outras políticas. Toda a evidência existente mostra que tais transferências públicas às populações pobres, embora sejam necessárias para aliviar a pobreza, são insuficientes para resolver o problema. Algo parecido ocorre com a ênfase na educação como medida para sair da pobreza. São medidas necessárias, mas insuficientes. Para eliminar a pobreza, é preciso medidas públicas altamente redistributivas, que possam reduzir as distâncias econômicas, financeiras, políticas, comunicacionais e sociais, que são as causas da pobreza. Quanto maior a desigualdade em um país, maior é a sua pobreza. Por isso, a medida mais importante é a redistribuição dos recursos do país, visando reduzir as desigualdades, um tema que é tabu dentro dos organismos internacionais.

Devemos concluir, com tudo isso, que o dinheiro que os países ricos enviam aos mais pobres não ajuda a diminuir a pobreza, a não ser que esses recursos se dedicassem a medidas redistributivas, o que raramente acontece. Na verdade, se os países ricos quisessem eliminar a pobreza nos países pobres, poderiam fazer facilmente ajudando a redistribuir a enorme concentração da riqueza que existe naqueles países. Não o fazem porque geralmente são os maiores aliados das estruturas de poder que controlam e se beneficiam da concentração da riqueza naqueles mesmos países. Esta tese não tem a visibilidade das de Angus Deaton e do Banco Mundial, pois sua ênfase na redistribuição ameaça os grupos de maior riqueza.

* Catedrático de Ciências Políticas e de Políticas Públicas da Universidade Pompeu Fabra, e ex-catedrático de Economia da Universidade de Barcelona.

Tradução: Victor Farinelli

%d blogueiros gostam disto: