O afilhado, a madrinha… e a mais recente farsa contra Cuba

«O mais patético desta sequência não é o “grevista” de boa saúde, nem os comparsas na Rua Obispo, nem a imprensa desfocada, nem os ianques clamando pelo fantoche, não. Isso já faz parte da paisagem

O olhar inocente parecia intrigado, como o tom da expressão: «Aulas na televisão para o ensino primário neste momento!» A frase, entretanto, não pode ser atribuída aos dez anos de quem a disse.

Semelhante à de María Carla, seria a reação de qualquer adulto que não estivesse na frente da televisão, quando ampliasse aquela voz com uma explicação tão mastigável: «Olha, algo importante, quando você conte um, dois, três, com os dedos, comece».

A esse grau de detalhe chegam as instruções que os fantoches assalariados recebem do exterior em Cuba para criar ou simular, em nosso país, a desordem e o caos, e assim dar crédito à calúnia insustentável, com a qual tentam justificar todo gênero de agressões.

A «professora» que María Carla ouviu no telejornal era ninguém menos que Carla Velázquez, venezuelana radicada no México, especialista em projetos e chefe do Programa Cuba, do Instituto Nacional Democrático (NDI) .

O NDI é uma agência não governamental dos Estados Unidos que financia grupos de pessoas para realizarem planos subversivos e desestabilizadores de países progressistas, e que nestes tempos focaliza sua atenção, de maneira especial, contra Cuba e a Nicarágua.

A voz dos citados foi apresentada em nossa televisão como prova — mais uma — do que e de quem estão por trás dos comediantes de San Isidro, disfarçados de dissidentes políticos.

Acontece que na citada «aula», a dita Carla Velázquez tinha do lado de cá do telefone uma amiga do «artista» Luis Manuel Otero Alcántara, seu «afilhado» para montar farsas, e lhe explicava as orientações para que ela as enviasse a ele, para o assunto, em nome de «”A madrinha”, porque ele me disse isso, e a polícia não sabe».

Uma breve pincelada conceitual, retirada do manual de guerra não convencional do exército dos Estados Unidos sobre o que é uma greve de fome, como e por que, e como filmá-la com telefones celulares, precedeu as ordens do chefe para seu fantoche — quero dizer, para seu afilhado, ou subordinado — a quem ela lembrou de que «estou dirigindo você».

Suas palavras textuais foram: «Em primeiro lugar, a greve de fome tem pedidos, é um método que pode ter sucesso se o fizer bem. Para fazer bem, é preciso ter alguns pedidos; o primeiro deve ser o mais fácil de realizar. Para que não morra de fome, porque você não quer morrer. Em seguida, os três pedidos são escritos para Afrik (África Reina nas redes sociais, nome do contra-revolucionário Yenicelis Borroto Vega), para que você possa dizê-los».

O material e os argumentos apresentados aos telespectadores cubanos, pelo jornalista Humberto López, incluem outras imagens e áudios, que não deixam dúvidas, se é que alguém tem, sobre o compromisso anticubano, que não é desconhecido nem novo, mas que segue em curso, embora de falha em falha.

Otero Alcántara está longe de ser o artista que afirma ser. A arte, independentemente das ideologias, é respeitosa e autêntica, e é arte; componentes de que sofre a obra deste personagem.

Ele estrelou uma «performance» das mais ofensivas e grotescas, para a qual ele não hesitou em ultrajar nossa bandeira. Não é a única obscenidade que, em nome da arte, ele encenou em lugares públicos.

No final de novembro, na companhia de outros de sua espécie, ele simulou uma primeira «greve de fome»; de pequenas mentiras, soube-se quase imediatamente, quando suas contas de alimentação vieram à tona através do apk TuEnvío.

Para a nova «greve», iniciada no final do mês passado, por indicações prévias de “A madrinha”, contou com os sempre prontos porta-vozes da mídia privada, a serviço dos inimigos da Revolução Cubana.

Em torno do novo capítulo da farsa, um pequeno grupo de dez criminosos provocadores, disfarçados de dissidentes, surgiu, no dia 30 de abril, desta vez na rua Obispo, em Havana.

A televisão denunciou que os bandidos escolheram um lugar lotado, uma fila, em busca de visibilidade na mídia. Pretendiam chegar à casa de Otero Alcántara, embora o seu verdadeiro interesse não fosse este, mas sim agradar aos seus mentores e receber as recompensadoras migalhas monetárias. Passo a passo, eles seguem detalhadamente o manual de guerra não convencional do Exército dos EUA de 2019, como a ação 29 daquele documento, que contempla atos simbólicos, e a ação 166: misturar-se com o público para criar confusão.

O líder desta última provocação, Esteban Rodríguez López, sem vínculo empregatício, residente na Havana Velha, acumula uma «brilhante carreira» como criminoso. Conhecida é sua relação com elementos antissociais; foi processado, entre outros crimes, por atividade econômica ilícita, recepção, furto, apropriação indébita, roubo com violência, lesões, alteração da ordem pública e resistência.

O Noticiário da televisão também apresentou o áudio do momento em que um indivíduo de origem cubana residente no Texas, EUA, confessou que estavam coletando dinheiro para enviá-lo a seus entes queridos em Cuba. Ele disse que Esteban já havia recebido dólares, e que o pessoal de lá atuou ao lado deste, aqui.

Mas quão diferente é a Cuba que vendem, contra a qual não poupam calúnias e falsidades, e que encenam, a título de peça, e a Cuba que, no costumeiro desperdício de humanidade que caracteriza o seu sistema de saúde, não discrimina a pessoas que necessitam de atendimento médico, como o oferecido, desde a manhã do dia 2 de maio, no hospital Calixto García da capital, a um dos dirigentes do chamado Movimento San Isidro: o próprio Luis Manuel Otero Alcántara.

As informações divulgadas pelas autoridades sanitárias falam por si.

O primeiro detalhou que, na madrugada de 2 de maio de 2021, o cidadão Luis Manuel Otero Alcántara foi recebido no pronto socorro do hospital universitário general Calixto García, com diagnóstico de inanição voluntária referida, que chegou em transporte médico, em um estado consciente e vagando sem dificuldade.

«O exame físico não revelou sinais de desnutrição, com presença de parâmetros clínicos e bioquímicos normais. Conforme estabelecido no protocolo de atendimento médico para a Covid-19, foi realizado um teste de antígeno, com resultado negativo, e foram coletadas amostras de PCR, aguardando o resultado.

Essa primeira nota concluiu que desde a sua chegada à instituição, e ao longo de todo o processo, se manteve cooperante com o pessoal de saúde que o atende, que a sua evolução foi estável e que as correspondentes ações médicas continuaram, por parte do grupo de especialistas. A mensagem esclarecia que o paciente era mantido em observação pelos motivos mencionados que o levaram a chegar à instituição.

No entanto, uma comunicação posterior, mais detalhada, após a realização de exames laboratoriais clínicos, revelou parâmetros normais no cidadão Luis Manuel Otero Alcántara; evidências claras de que os indicadores do paciente não correspondem aos de uma pessoa que manifesta fome, o que revela que houve nutrição e hidratação:

Hemoglobina 16,8

Glicemia 5,6

Ácido úrico em 9,71

Ph no sangue 7,15

Hematócritos 0,51

Plaquetas 300

Leucócitos 7,8, com faixa normal diferencial

Eritro em 5, com sedimentação e creatinina normais

São precisos melhores argumentos? Os artifícios da montagem contrarrevolucionária são declarados falsos, tanto a olho nu quanto sob o foco de um microscópio. Não há enredo crível nos enredos que são inventados, um após o outro. O afilhado, a madrinha e seus padrinhos são mais uma vez expostos ao ridículo.

Com razão, tais encenações geram — do lado dos sensatos, dos revolucionários que não acreditam na história daqueles, dos pobres-diabos que vendem seu país ao preço de qualquer esmola em dólares — comentários contundentes, como o um soco, escreveu o comunicador Omar Rafael García Lazo:

«Não há mercenário sério que tenha uma escala diferente daquela que prioriza sua própria vida. Como trabalhador do cinismo, para o mercenário o mais importante é seu salário, não a causa, muito menos as ideias. Ontem o “artista” morreu. Hoje ele caminhou para o hospital sem sinais de desnutrição. É por isso que ninguém acredita neles. (…) Mas o show tem que continuar. A verdade não é mais secundária. Certamente dirão que o “artista” foi obrigado. Com certeza ele continua sua “greve” no hospital, como aquele personagem tosquiado de quem ninguém mais lembra, campeão das greves assistidas em hospitais, à custa do erário público. Que contradição.

«O mais patético da sequência não é o “grevista” de boa saúde, nem seus comparsas na Rua Obispo, nem a imprensa desfocada, nem os ianques clamando pelo fantoche, não. Isso já faz parte da paisagem.

«O mais patético é ver alguns pensadores cubanos apostarem seu intelecto no desfecho político de uma farsa anunciada. E se o diálogo, e se as causas do fenômeno, e se o racismo subjacente, e se uma coluna de argumentos e ideias para mediar, e se o futuro e a democracia… Tudo agora em uma velha panela que não mantém pressão não importa quantos conselheiros ele consiga. Não sairá daí nada que se pareça com o nosso autêntico ‘ajiaco’, porque simplesmente o dinheiro nunca foi, no caso cubano, um catalisador de transformação. Nunca em nossa história.

Granma

Publicado em 03/05/2021, em Cuba. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: