Presente da ciência e do pensamento

Talvez alguém tenha pensado que era um projeto utópico e irrealizável para se fundar na estrutura de um país subdesenvolvido e marcado pelos cercos dos poderosos do mundo, uma nação orgulhosa de sua capital científica e técnica. Mas Fidel, o vidente do futuro nobre e preciso, não estava errado. Cuba poderia ser a terra das mulheres e dos homens da ciência e do pensamento. É assim que a Ilha se levantou e navega: semeando curas para as dores do mundo e conhecimentos para os enigmas de hoje

Uma frase visionária marcou o ponto de partida daquilo que seria um trabalho colossal: «O futuro do nosso país deve ser, necessariamente, um futuro de homens de ciência, de homens de pensamento, porque precisamente (…) o que mais estamos semeando são oportunidades de inteligência».

Isto foi afirmado pelo Comandante-em-chefe Fidel Castro na cerimônia de comemoração do vigésimo aniversário da Sociedade Espeleológica de Cuba, em 15 de janeiro de 1960, no Auditório da então Academia das Ciências Médicas, Físicas e Naturais de Havana.

Era evidente a vontade política dos novos líderes revolucionários de promover o desenvolvimento dessa esfera vital, como uma premissa indispensável para criar riqueza através de nossos próprios esforços e colocá-los em função do bem-estar da população, modificando assim o rosto de uma nação devastada pelas mazelas do subdesenvolvimento.

A partir desse momento, começaram a ocorrer profundas transformações sociais no país, levando a colocar a ciência no centro das principais prioridades do Estado cubano.

Na década de 60, foram dados passos gigantes na preparação e treinamento do pessoal que teria que se render profissionalmente à pesquisa científica em tempo integral ou em conjunto com o ensino superior.

Da mesma forma, houve avanços notáveis ​​na promoção da prática científica na vida universitária, enquanto vários centros de pesquisa foram criados em todo o nosso arquipélago e nos mais diversos ramos, dotados de recursos informativos e materiais necessários para realizar o caminho audacioso.

Um marco fundamental foi, sem dúvida, a fundação em 1º de julho de 1965, do Centro Nacional de Pesquisas Científicas, primeira instituição multidisciplinar cubana, dedicada inteiramente à atividade científica, cuja missão consistiu na formação de especialistas de primeiro nível e no contributo de soluções para diversos problemas de grande importância econômica e social.

A criação de um capital humano altamente preparado, uma ideia genuína do pensamento estratégico de Fidel, propiciou que com a passagem do tempo Cuba se posicionasse na vanguarda do mundo, em setores como a saúde pública, onde por dez anos consecutivos as taxas de mortalidade infantil são abaixo de 5 por mil nascidos vivos (em 2017 foi 4,0, a mais baixa na história) e atinge uma expectativa de vida no nascimento da população cubana de 78,45 anos, destacando entre os resultados mais emblemáticos.

Nenhuma das anteriores teria sido possível se não fosse baseada em uma base firme de pessoal qualificado dedicado ao trabalho, incluindo o desenvolvimento de seus próprios sistemas tecnológicos.

Tal é o caso da tecnologia SUMA para a detecção precoce de hipotireoidismo congênito (o teste é aplicado desde 1986 a todos os recém-nascidos) e o diagnóstico pré-natal de malformações congênitas, o que representou uma contribuição significativa na redução da mortalidade infantil e a sua localização dentre as mais baixas em nível internacional.

Do mesmo modo, ter um andaime sólido para fazer ciência facilitou a inserção inicial do país no setor de biotecnologia, cujas contribuições significativas na produção de medicamentos, meios de diagnóstico e vacinas (dez dos 13 funcionários do Programa Nacional de Imunização são produzidos por Organização Organizacional BioCubaFarma), colocá-lo como a experiência mais bem sucedida no setor que ocorreu fora do chamado Primeiro Mundo.

Não menos importante é a contribuição dos cientistas cubanos para o conhecimento da riqueza natural da nação para seu uso e proteção racional, a compreensão dos componentes, processos e características de nossa identidade nacional, características distintivas e evolução histórica e a determinação dos impactos das mudanças climáticas e o desenho de ações de adaptação e mitigação, coletadas na Tarefa Vida, aprovada em abril do ano passado pelo Comitê Executivo do Conselho de Ministros.

Elba Rosa Pérez Montoya, membro do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba e ministra da Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (Citma), disse recentemente que, até 2018, um dos desafios fundamentais para homens e mulheres no setor está ligado à contribuição para o aumento do Produto Interno Bruto do país. «Toda a comunidade científica, onde quer que esteja, tem que progredir em todos os ramos: biotecnologia, indústria médica farmacêutica, nanociências e nanotecnologias, ciências básicas e pesquisa».

A ministra insistiu que não só é ter mais projetos, mas que eles consigam fechar os ciclos: que eles sejam investigados, produzidos e comercializados, porque o país precisa urgentemente que os pesquisadores façam essa contribuição.

Anúncios

Publicado em 15/01/2018, em Cuba, FIDEL. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: